quarta-feira, 17 de outubro de 2007

Ruanda


GUERRA CIVIL DE RUANDA



Cerca de 90% da população é hutu e vive em conflito com a minoria
tutsi desde a época colonial. O conflito entre as etnias tutsi e hutu
matou mais de 1 milhão de pessoas na guerra civil que arrasa o país
desde 1994.
Em 1994, eclodem os mais graves confrontos entre as duas etnias, e
o país é palco de um genocídio que deixa 1 milhão de mortos e 2,3
milhões de ruandeses refugiados em países vizinhos...
Os tutsis exilados formam a Frente Patriótica Ruandesa (FPR), que
invade o norte de Ruanda em outubro de 1990.
Vencida pelo Exército do presidente Habyarimana (no poder desde
junho de 1973), a FPR inicia uma guerrilha. Habyarimana, para
aliviar tensões, aprova o pluripartidarismo em junho de 1991 e abre
negociação com a guerrilha.
Nova ofensiva tutsi, em fevereiro de 1993, põe o acordo por terra.
O governo massacra civis tutsis. Em represália, a FPR arrasa
aldeias hutus e a guerrilha chega a menos de 30 quilômetros de
Kigali,a capital. Mais de 1 milhão de refugiados se aglomeram na
fronteira com Tanzânia e Uganda.
Em agosto, governo e guerrilha assinam os Acordos de Arusha,
pelos quais é formado um governo de transição com a FPR e outros
partidos de oposição, sob o apoio da ONU.
Em abril de 1994, o presidente Habyarimana e seu colega do
Burundi Cyprien Ntaryamira morrem em acidente aéreo.
O episódio desencadeia uma guerra civil que dura até julho.
Entre 500 mil e 1 milhão de mortos, além de 2,3 milhões de refugiados,
que se dirigem sobretudo ao atual Congo (muitos atravessaram a fron-
teira pelo
Parque Nacional Virunga) e à Tanzânia.
Em julho, a FPR (tutsi) toma Kigali e põe Pasteur Bizimungu na Presi-
dência. Em março de 1995, 2 mil hutus expulsos de um campo de re-
fugiados são assassinados por tutsis.
Três meses depois é inaugurado o Tribunal Internacional de Crimes
para julgar cerca de 400 acusados de participação no genocídio de
tutsis em 1993.

OBS: O genocídio praticado em Ruanda é o evento mais trágico da
segunda metade do século passado; todavia, dez anos depois, ele
está quase totalmente esquecido. A hecatombe de 1994 deve ser
lembrada, estudada, analisada, discutida, porque contém um grande
número de lições que nos ajudam a entender melhor nosso tempo.
Os massacres de 1994 não são frutos de uma explosão de loucura
coletiva, mas a máxima expressão de um ódio muito antigo.




Componentes:

* Cynthia
* Jessica
* Guilherme Pereira
* Maria Clara
* Mariana

5 comentários:

Maria disse...

Bem vindos ao nosso trabalho muito informativo sobre as guerras na ruanda.
Divirtam-se.....................se conseguirem ^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^^.
Ass:Jesse and Clara

Natália Machado disse...

POH... esse hotel ruanda eh um saquinhu!!! nem eh com o orli bloom!!!!! zoa zoa...d boa, lgl o passinhu dos tios aih embaixo!!!! quase michael jackson!!!!
bjaum

História da Africa disse...

O trabalho está bom! beijos, a nota é 8,5.
Andréa Aguiar

Lucas D'borest disse...

Muitoo Boom,,Esplicaah Tudoo De Ruanda!! Miim Ajudoou Muitoo naah Provaah''!!1 Brigadooh''

Lucas Lima disse...

muito obrigado! tenho mais facilidades em meus trabalhos escolares!